Publicado por: marcospauloteixeira | Janeiro 19, 2009

Papa convida cristãos do Irã a dialogar com autoridades islâmicas

Papa convida cristãos do Irã a dialogar com autoridades islâmicas

Indica-lhes duas vias: o diálogo cultural e a ação caritativa

Por Inma Álvarez

CIDADE DO VATICANO, sexta-feira, 16 de janeiro de 2009 (ZENIT.org).- Bento XVI agradeceu o trabalho dos cristãos na República Islâmica do Irã e lhes indicou duas vias para aprofundar em sua relação com as autoridades do país: o diálogo cultural e o exercício da caridade. 

Em seu discurso aos bispos deste país do Oriente Médio, que foram a Roma por ocasião da quinquenal visita ad limina apostolorum, o Papa manifestou a «antiga presença» dos cristãos no Irã, em suas três comunidades, armênia, caldéia e latina, uma presença que se «desenvolveu e manteve ao longo do tempo». 

O pontífice pôs de manifesto a importância do testemunho de «unidade na diversidade» que as três comunidades oferecem dentro da Igreja. 

Também explicou a transcendência do testemunho da caridade que os sacerdotes, religiosos e religiosas estão dando através da assistência aos mais necessitados e aos idosos, e especialmente «a bela contribuição da Igreja Católica, em particular através da Cáritas, na obra de reconstrução após o terrível terremoto que abalou a região de Bam». 

«Não quero esquecer todos os católicos, cuja presença na terra de seus antepassados traz à mente a imagem bíblica do fermento na massa, que faz crescer o pão, lhe dá sabor e consistência.», acrescentou. 

O Papa animou os cristãos a «permanecerem fiéis à fé de vossos pais e permanecer unidos à voss terra, para trabalhar conjuntamente no desenvolvimento da nação». 

Para isso é necessário, explicou, «desenvolver relações harmoniosas com as instituições públicas, com a graça de Deus, que se aprofundem gradualmente e lhes permita desempenhar melhor sua missão de Igreja no respeito mútuo pelo bem de todos». 

Para isso, o Papa lhes indicou dois caminhos, «o do diálogo cultural, riqueza plurimilenar do Irã, e o da caridade. Esta última iluminará a primeira e será seu motor». 

Também pediu aos pastores que cuidem das vocações, que não são muito numerosas devido ao exíguo número de cristãos, e que fortaleçam os laços com os cristãos iranianos que migraram a outros países. 

«O caminho que se abre perante vós requer muita paciência e constância. O exemplo de Deus, que é paciente e misericordioso com seu povo, será vosso modelo e vos ajudará a abrir o espaço necessário para o diálogo», acrescentou. 

O Papa assegurou, por último, seu afeto e oração pelos cristãos iranianos: «Em minha oração, nunca esqueço vosso país e as comunidades católicas presentes em vosso território, e peço a Deus que as abençoe e auxilie». 

«Eu agradeceria que, em vosso retorno, transmitais aos vossos sacerdotes, religiosos, religiosas e a todos os fiéis que o Papa está próximo deles e reza por eles», concluiu. 

Dos mais de 65 milhões de habitantes do Irã, 98% são muçulmanos e 0,04% católicos (caldeus, armênios e latinos). 


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Categorias

%d bloggers like this: