Publicado por: marcospauloteixeira | Julho 25, 2009

Quantos “eu te amo”… eu poderia ter dito em quinze minutos?

Quantos “eu te amo”… … eu poderia ter dito em quinze minutos?

(um comovente relato da síndrome pós-aborto de um anencéfalo)

Os defensores da Argüição de Descumprimento de Preceito Fundamental n. 54 (ADPF 54), que pretende liberar o aborto de bebês anencéfalos, dizem e repetem que tal aborto (por eles chamado “antecipação terapêutica de parto”) beneficiaria a gestante. Afinal, argumentam, que sentido tem levar adiante a gravidez de uma criança que talvez sobreviverá só alguns minutos após o nascimento? Segundo eles, o aborto seria a abreviação de um sofrimento e o livrar-se de um peso inútil.

Um vídeo produzido pela Estação Luz e colocado no YouTube demonstra, de maneira enfática, o traumatismo psicológico sofrido por uma mãe de anencéfalo que aceitou o convite do médico de praticar o aborto. O vídeo chama-se “Quantos ‘eu te amo’?” e está dividido em cinco partes. Traz o depoimento alegre e tranqüilo de mães de anencéfalos que rejeitaram o aborto, como Márcia Tominaga (mãe de Filipe, que sobreviveu 20 minutos após o nascimento) e Cacilda Galante Ferreira (mãe de Marcela, que só morreu depois de 1 ano e oito meses de nascida). Mas é particularmente tocante o relato de uma mãe anônima, que aparece nas partes 1 e 5, chorando por ter aceitado a proposta do médico de abortar seu bebê anencéfalo.

Parte 1: http://www.youtube.com/watch?gl=BR&feature=related&v=7PpAC7WpFpA Com a tela totalmente escura, ouve-se a voz de uma mulher e lê-se a legenda correspondente em letras brancas: Foi falado que 99% das crianças em caso de anencefalia não sobreviviam. Então me sugeriram que eu abortasse porque, talvez por eu estar no quinto mês de gestação eu poderia correr risco.

 Então, eu e meu esposo resolvemos aceitar a proposta do médico em tirar a criança. Foi aí então que começou o meu sofrimento. [Aparece agora o rosto da mãe] Passei três dias internada, todos os dias sentindo dores. Eram 9h40 da manhã quando me levaram para a sala de parto. Eu lembro até hoje outras crianças nascendo ao lado, recebendo a vida e eu… [começa a chorar] … eu estava ali matando a minha filha. Ela nasceu, senti mexendo e eu não quis ver. Talvez porque eu me sentia uma covarde. Talvez porque eu me sentia um monstro. Naquele momento eu não tive coragem de ver a crueldade que eu permiti… que ele estava… autorizei fazer comigo. Lembro dela gritando: “Tá vivo!” [passa a mão no rosto para enxugar as lágrimas] “Tá vivo! A criança nasceu viva!”

Parte 5: http://www.youtube.com/watch?v=qGbX2RauEqI&feature=related Talvez quinze minutos era o máximo de sobrevivência para ele. Mas eu me pergunto: em quinze minutos quantos “eu te amo” eu poderia falar para esse meu filho?


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Categorias

%d bloggers like this: