Publicado por: marcospauloteixeira | Abril 27, 2010

DEUS NO SISTEMA RENAL

 DEUS NO SISTEMA RENAL

Por Marcos Paulo Teixeira         

            O rim é um órgão fabuloso! O engenheiro do corpo humano pensou nesse órgão como um solucionador e regulador de muitos problemas do corpo. Os rins tem a função  de eliminar do corpo todo material indesejado que é ingerido ou que é produzido pelo metabolismo. É como um cano de escape de um automóvel que deixa escapar a fumaça gerada pela combustão da gasolina no motor.

            O Grande Engenheiro‚ sabendo dos desafios que o corpo enfrentaria‚ pensou nos rins como um ponto de apoio para solucionar ou ajudar os outros órgãos a solucionar problemas‚ dentre eles temos: Regular o equilíbrio ácido-base do corpo; secretar metabólitos; excretar homônios‚ regular a pressão arterial‚ gliconeogênese (mecanismo pelo qual se produz glicose) etc.

            Nesta seção vamos mergulhar no pensamento do Grande Engenheiro ao criar um mecanismo tão maravilhoso para a manutenção da vida.

 A autoregulação.

             Os rins filtram o sangue numa taxa de 180 L/dia e reabsorve 178‚5 L/dia‚ deixando que 1‚5 L de líquido seja excretado pela urina. Se não houvesse regulação‚ um aumento da pressão arterial média de 100 para 125 mmHg seria suficente para aumentar a taxa de filtração de 180 para 225 L/dia. Se a reabsorção permanecesse constante‚ o volume da urina passaria rapidamente de 1‚5L para 46‚5L/dia‚ ou seja‚ 30 vezes o volume normal. Como no nosso plasma  temos apenas 3 litros, não teríamos como sobreviver sem essa autoregulação. O Engenheiro do corpo humano‚ na sua sabedoria‚ criou esse mecanismo para regular também a reabsorção e permitir que aumentos da pressão arterial‚ como praticar esportes‚ fossem tolerados pelo nosso corpo.

 O que importa para você? O seu rim sabe!

             Quando você compra uma lata de sardinha‚ normalmente a lata é jogada fora pois não se come lata. O que não serve para o nosso corpo também é jogado fora e os rins são os responsáveis para descartar esse material e também são responsáveis para que não se perca o que nos é precioso.

            Existem substâncias que sâo secretadas diretamente sem reabsorção. Um exemplo é a creatinina que é um produto de degradação da fosfocretina no músculo. Como o seu acúmulo não interessa para o corpo‚ os rins deixam que toda a creatinina que passa pelos túbulos renais não sejam reabsorvida. Outras substâncias‚ como o sódio‚ o cloro e o bicarbonato‚ são excretado mas depois reabsorvido pelos rins. Se não houvesse esse mecanismo‚ os níveis de eletrólitos no nosso corpo cairia ao extremo e‚ apenas isso‚ seria incompatível com a vida. Outras substâncias são completamente reabsorvidas pelos rins como a glicose e os aminoácidos. Substâncias irritantes para o organismo como os ácidos e bases‚ são filtradas pelos rins e não são reabsorvida para a circulação‚ mas isso não seria suficiente para impedir uma contínua intoxicação‚ logo essas substância também são secretadas dos vasos sanguíneios renais novamente para os túbulos renais para serem eliminados na urina. Tudo isso porque o grande Engenheiro criou um mecanismo para que os rins reconhecessem  essas substâncias e a suas reais carências no corpo humano.

   Por que uma grande quantidade de líquido é filtrada diariamente?

             Os rins trabalham numa taxa de fitração glomerular (TFG) de 180L por dia. Como o nosso plasma tem volume de apenas 3 litros‚ isso equivale a dizer que os rins filtram o nosso sangue 60 vezes num único dia. Será que isso é exagero? Algumas substância tóxicas são pouco reabsorvidas pelos túbulos para serem descartadas pela urina. Por causa disso o Grande Engenheiro programou uma alta quantidade de filtração diária do nosso sangue (60 vezes) para que essas substâncias fossem descartadas. Um alta taxa de filtração também permite um ótimo controle sobre a qualidade de sangue.

 O que o Grande Engenheiro criou para prevenir o EDEMA (inchaço)?

             Edema é o excesso de líquido nos espaços extracelulares. Quando o líquido escapa dos vasos (artérias ou veias) vai para o interstício provocando inchaço. Normalmente esse espaço contém pouco líquido‚ e no caso de excesso, ele é drenado por vasos linfáticos. O Edema é o popular inchaço e é comum em várias doenças. Quando acontece na região abdominal é chamado de ascite.

            Muitas são as causas de edema‚ entre elas temos: Insuficiência agurda ou crônica dos rins; insuficiência cardíaca; obstrução venosa; paralisia dos músculos; imobilização de partes do corpo; queimaduras; ferimentos; cirrose; toxinas; cirurgias etc. Diante de todas essas possiblidades‚ era necessário que o Engenheiro do corpo humano criasse mecanismo para garantir que o edema não acontecesse por qualquer motivo. Devido a esses mecanismos regulatórios do edema‚ os distúrbios‚ geralmente‚ precisam ser muito graves para que um edema importante aconteça.

            A razão para que um edema nâo aconteça é devida aos três fatores de segurança.

1ª razão – A baixa complacência do interstício quando a pressão intersticial for negativa.

            Isso é fácil de explicar. Significa que não há uma grande alteração do volume do interstício‚ pois uma leve pressão negativa de – 3mmHg em relação à pressão atmosférica garante uma pequena sucção dos tecidos que os mantém compactos. Isso quer dizer que se algum líquido passar dos vasos sanguíneos para o interstício fará com que a sua pressão hidrostática cresça muito e impeça o edema.

2ª razão – Possibilidade do fluxo linfático aumentar

            Os vasos linfáticos sâo os responsáveis para retirar o excesso de líquido do interstício. Mas em caso de um grande excesso de líquido (edema)‚ os vasos linfáticos foram programados pelo Grande Engenheiro para aumentar o fluxo de 10 a 50 vezes o normal garantindo uma drenagem maior e contenção do edema.

3ª razão – Diluição das proteínas do líquido intersticial

            As proteínas são responsáveis pela chamada pressão oncótica. Se elas estiverem concentradas a pressão oncótica suga mais líquido para o lado das proteínas. A medida que o edema evolui‚ ou seja‚ mais líquido para o interstício‚ a concentração das proteínas do interstício vai sendo reduzida fazendo com que a pressão oncótica também reduza. Logo‚ menos líquido sairá dos vasos.

             Com esses três mecanismos o Engenheiro do corpo humano criou um fator de segurança. Resumindo temos um fator de segurança na 1ª razão de 3 mmHg devido à pressão negativa. Temos um fator de segurança na 2ª razão de 7 mmHg devido ao aumento do volume linfático e na 3ª razão de mais 7 mmHg por causa da diluição das proteínas. Logo‚ o Grande Engenheiro criou um fator de segurança de (3+7+7) 17 mmHg. Isso quer dizer que um aumento de 17 mmHg na pressão capilar periférica não conseguiria produzir inchaço (edema). Concluindo‚ sem esse fator de segurança‚ qualquer doença que aumentasse um pouco a pressão capilar periférica‚ seria suficiente para que nós ficássemos inchados.

 Se a taxa de filtração renal cair‚ quem ajuda? O coração?

 

            Sabemos que o coração é o responsável para bombear o sangue pelo nosso corpo‚ assim a taxa de filtração renal também é influenciada por ele. Mas o que acontece se essa taxa de filtração glomerular renal cair?

Não se preocupe…é claro que o Engenheiro do corpo humano também pensou nisso!

Para regular a taxa de filtração dos rins‚ foi criado‚ pelo engenheiro do corpo humano‚ um mecanismo feedback que analisa a concentração de cloreto de sódio numa estrutura do rim chamada mácula densa. Esse feedback auto-regula o fluxo sanguíneo renal e a taxa de filtração renal.

Quando a taxa de filtração glomerular cai‚ o fluxo pelo túbulo distal do rim fica reduzido. O túbulo distal percebendo essa redução começa a reabsorver mais cloreto de sódio. Imagine uma notícia de que faltará combustível amanhã; as possoas correrão para se abastecer de gasolina para prevenir a falta de combustível. Logo as reservas de cloreto de sódio ficarão diminuídas. Essa concentração reduzida de cloreto de sódio chega na mácula densa que inicia um sinal que possui dois efeitos:

1° – reduz a resistência na arteríola aferente (que traz sangue) fazendo com que mais  sangue chegue ao glomérulo (lugar de filtração) aumentando a taxa de filtração.

2° – Uma substância chamada renina tem sua secreção aumentada pelas células justaglomerulares das arteríolas aferentes e eferentes. A renina‚ por sua vez‚ aumenta a formação de angiotensina I‚ que é convertida em angiotensina II. Pra que tudo isso?  Ora‚ a angiotensina II contrai a arteríola eferente (que leva sangue). A arteríola eferente é como a ponta de saída de uma mangueira d’água. A angiotensina II contrai a saída fazendo aumentar a pressão hidrostática glomerular ajudando a aumentar a taxa de filtraçâo glomerular.

Agora você deve está pensando: “Que bom que o engenheiro do corpo humano pensou nisso!”.

Esse mecanismo é tão importante que mesmo se pressão arterial média do corpo flutar entre 75 e 160 mmHg‚ praticamente nada acontece com a taxa de filtração glomerular renal. Veja que o coração foi poupado dessa tarefa.

 Um exemplo prático: alta ingestão de carne.

             Um refeição rica em proteínas‚ como por exemplo das refeições com grande quantidade de carnes‚ aumentam em média 25% a filtração glomerular. Numa rápida leitura do assunto descartaríamos o mesmo por parecer ser de pouco interesse‚ mas vejamos a importância disso.

            O produto resultante do metabolismo das proteínas é a ureia‚ e esta concentrada no sangue é tóxica. Uma rica refeição em proteínas libera aminoácidos para o sangue. Esses aminoácios são reabsorvido no túbulo proximal renal junto com o sódio. 

Agora você deve está se perguntando: A reabsorção do sódio no túbulo proximal vai fazer faltar sódio no túbulo distal?

             Bingo!! Isso mesmo! Essa foi a intenção do Engenheiro do Corpo humano. Se falta sódio no túbulo distal a sua reabsorção é aumentada e a sua concentração na mácula densa diminui emitindo aquele sinal falado no tópico acima que possui dois efeitos: diminuir a resistência na arteríola que entra (aferente) para chegar mais sangue e aumentar a secreção de renina. Lembra? A renina aumenta a formação de angiotensina I que depois angiotensina II que aumenta a resistência na arteríola que sai (eferente)‚ aumentando a taxa de filtração.

 E pra que aumentar a taxa de filtração?

            A genialidade do Engenheiro do corpo humano foi que‚ aumentando a taxa de filtração‚ ele consegueria  manter a excreção normal do sódio em um nível próximo do normal enquanto a excreção dos produtos indesejáveis do metabolismo das proteínas‚ a uréia‚ fosse aumentada.

             Esse mecanismo é importante nos casos de intoxicação por metais pesados como o mercúrio. Nesses casos a reabsorção de cloreto de sódio nos túbulos proximais é diminuída‚ com isso‚ muito sódio chega nos túbulos distais. O mecanismo de feedback age ao contrário fazendo constrição das arteríolas renais aferente em resposta ao aumento de cloreto de sódio na mácula densa‚ possibilitando uma adequada excreção de substâncias estranhas na urina.

             Os mecanismos exatos pelos quais isso ocorre ainda são objetos de pesquisa e não são completamente entendidos. Nos falta muita coisa para entendermos toda a ciência usada pelo Engenheiro do corpo humano.  Em suma‚ coma carne à vontade e não se preocupe com a uréia!

 Não me diga que esse engenheiro também pensou na urina diluída e urina concentrada!?

             Pois é… e‚ por incrível que pareça‚ é um mecanismo importantíssimo para a vida do homem.

            Antes de começarmos a falar sobre isso‚ é importante o conceito de osmolaridade. Este termo é usado  para designar o número de partículas ativas de soluto em um litro da solução. Quando falarmos nesse termo aqui‚ o soluto será o sódio.

             Mas‚ para que é preciso regular a osmolaridade?

            Essa pergunta é crucial ser respondida antes de nos adentrarmos na discussão. Para que as células do nosso corpo funcionem adequadamente‚ elas precisam ser banhanda por um líquido com uma concentração constante de eletrólitos e solutos. Logo‚ a osmolaridade é fundamental á vida. Sem a sua regulação morreríamos.

             Mas o que há de interessante nisso?

            O sódio é muito importante para o nosso corpo e não podemos perder a quantidade ideal dele e de outro eletrólitos no noss organismo. Então como faremos para regular a osmolaridade sem perder a água e eletrólitos do corpo?

 Aí entra mais uma vez a genialidade do nosso velho Engenheiro do Corpo humano. Ele pensou num mecanismo feedback que controlasse a osmolaridade através da excreção renal de água‚ independentemente da excreção do sódio. Um importante componente desse sistema é o hormônio ADH‚ também conhecido como vasopressina. Em termos práticos‚ quando a osmolaridade sobe para valores acima dos normais‚ a glândula pituitária (que fica localizada na base do cérebro) secreta mais ADH que‚ por sua vez‚ aumenta a permeabilidade dos túbulos distais do rim e ductos coletores de água e‚ assim‚ diminuem a osmolaridade do plasma.     Numa sitiuação em que há excesso de água no corpo, (queda da osmolaridade) a glândula pituitária diminui a secreção de ADH.

            Vamos analisar por outro ângulo. Quando a osmolaridade do líquido extacelular aumenta, provoca um muchamento de uns neurônios chamados de células osmorreceptoras. Esse murchamento envia sinais para outros neurônios nos núcleos supra-ópticos do cérebro que enviam sinais para hipófise posterior (pituitária). Esta ao receber sinais liberam ADH que entra na corrente sanguínea até chegar aos rins onde provoca reabsorçâo de água. Assim‚ a água é conservada enquanto o sódio e outros eletrólitos são excretados pela urina.

             Mas um problema resolvido pelo Engenheiro do Corpo humano! Veja que ao criar o homem‚ Ele também teve que pensar nisso.

 A impressionante saga do Potássio

 

            O íon potássio está presente no corpo humano em torno de 4‚2 mEq/L‚ com raras alterações. Se esse esse valor subir para 7 mEq/L pode ocasionar arritimias cardíacas. Em caso de concentrações elevadas pode levar à fibrilação ventricular do coração e morte.

            E o que é interessante saber?

            É importante resaltar que em apenas uma refeição nós ingerimos uma quantidade de potassio que chega à 200 mEq/L.

                       Qual o problema com isso?

            O problema é que os rins não conseguiria eliminar esse potássio todo antes da morte do ser humano. Mas para resolver esse problema‚ o grande Engenheiro do corpo humano pensou numa saída expetacuclar para garantir a vida do homem.

             Como foi dito, após uma rica refeição o potássio subiria a um nível letal se não fosse deslocado rapidamente para as células. Isso mesmo! As células concentram 98% do potássio total do nosso corpo. Com isso‚ os rins tem tempo de sobra para ir eliminando o excesso de potássio.

            Parece simples? Pois é… se o Engenheiro do corpo humano não tivesse criado mais essa saída‚ nós não sairíamos vivos de uma simples refeição rica em vegetais e frutas que elevaria o potássio para 40 mEq. Veja a diferença em relação aos níveis tolerados pelo corpo de apenas 4‚2 mEq/L‚ com variação de até +- 0‚3 mEq/L.

Resumindo tudo o que escrevi em um só versículo: “Antes que no seio fosses formado‚ eu já te conhecia; antes do teu nascimento‚ eu já te havia consagrado” (Jr 1‚5).


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Categorias

%d bloggers like this: