Publicado por: marcospauloteixeira | Fevereiro 19, 2012

A propósito do Carnaval…

A propósito do Carnaval…

 Por Dom Henrique Soares

Meu caro Internauta, chegou o Carnaval, mais uma vez!

Como você deve saber, trata-se de uma festa originariamente de cristãos. Ele acontecia na chamada Terça-feira Gorda, quando se brincava sadiamente e se comia carne em abundância, marcando a despedida da mesa farta para se entrar na penitência quaresmal. Daí o nome latino “Carne vale!” – Adeus, carne! Era um belo sinal do senso de humor dos cristãos, que entravam no tempo quaresmal com alegria e disposição. A penitência quaresmal, com a severa abstinência de carne, não parecia um peso excessivo para quem levava Deus a sério, para quem tinha diante dos olhos o amor de Cristo e a necessidade de caminhar para Ele pela conversão contínua. Assim, no dia seguinte à Terça-feira Gorda, na Quarta-feira de Cinzas, os discípulos de Cristo iniciavam  o santo jejum com seriedade e espírito de fé!

Aos poucos, com a lenta, mas inexorável secularização da sociedade, o Carnaval foi sendo dilatado, começando antecipadamente no domingo; foi também perdendo sua ligação com a penitência quaresmal: brincava-se por brincar, sem referência séria o tempo quaresmal. A Quarta-feira de Cinzar ia se tornando somente a “Quarta-feira ingrata”… Além do mais, pouco a pouco, foi passando de uma brincadeira inocente para uma festa de excessos e imoralidades. E chegamos a esta situação atual.

Agora, pergunto eu: Como um cristão deve avaliar o Carnaval?

Penso que é importante compreender que não podemos mais ter um olhar ingênuo, simplesmente positivo e benévolo em relação às coisas que nossa cultura pós-cristã e neopagã tem produzido. Não dá para sorrir e elogiar realidades que levam para tão distante do Evangelho!

Dou-lhe um exemplo que talvez o contrarie, meu estimado Leitor, a quem respeito de todo o coração, mas diante de quem devo honestamente dizer o que penso… Veja o desfile das escolas de samba. Não há que duvidar tratar-se de uma realidade cultural, de ser uma explosão de arte, de beleza plástica, de harmonia que tanto agrada aos sentidos! E se fosse só isto, que beleza! Mas, vem o excesso, vem a imoralidade gritante, vêm letras de samba que por vezes são maliciosas e incompatíveis com nossa fé cristã! E assim, sorrateiramente, entram no ouvido e no coração, realidades que nos afastam do Senhor nosso.

Devemos, então, rejeitar em bloco o Carnaval atual?

A resposta pronta não existe! Se um cristão julga poder brincar o carnavalzão do mundo sem cometer excessos, sem dar azo à imoralidade, sem a dispersão interior violenta que nos tira da presença de Deus e da realidade, então brinque em paz! Duvido muito que isto seja possível, mas é preciso respeitar a consciência de cada um!

Eu mesmo sugiro, como pastor da Igreja, que os cristãos deem preferencia por brincar o Carnaval em grupos de cristãos, de modo puro, sereno, inocente, fraterno, com toda alegria que despretenciosa que nasce de um coração que sabe o sentido verdadeiro da existência.

Uma coisa é carta: à medida que o mundo se paganiza, é necessário reavaliar nossas posturas frente tantas realidades que antes, numa sociedade culturalmente cristã, não representavam problema algum para um  discípulo  de Cristo. Pense nisto. E que o Senhor o abençoe, meu Irmão!

fonte: http://costa_hs.blog.uol.com.br/


Responses

  1. Concordo com algumas coisas escritas aqui, mas a respeito das origens do carnaval há controvérsias de que se tenha originado dos cristãos, na verdade veio da Grécia cerca de 600 anos a.C.


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Categorias

%d bloggers like this: